A Região Serrana do Rio está crescendo nas exportações de moda íntima, segundo informações do Sistema Firjan, divulgadas nesta terça-feira (5). A região, que tem Nova Friburgo como cidade polo, exportou 32% mais moda íntima em 2015 em comparação com 2014, saindo de US$ 762 mil para US$ 1 milhão.

A Serra aumentou sua participação nas exportações de moda íntima do estado, saindo de 42% para 63%. Isso significa que a região respondeu pela maior parte do desempenho exportador de moda íntima do Rio de Janeiro, segundo levantamento da Firjan Internacional com base nas estatísticas da Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério do Desenvolvimento.

Dentro da cadeia da moda, o Estado possui 26.667 estabelecimentos formais, que empregam 195.797 trabalhadores com carteira assinada. A Região Serrana compõe 11% do total de estabelecimentos da Cadeia da Moda do Rio e 10% do total de trabalhadores com carteira assinada do estado.

O elo industrial de confecção emprega 52,5 mil trabalhadores formais. Neste segmento, a Serra corresponde a 24% do número de trabalhadores do Estado do Rio de Janeiro. Os dados foram compilados da última Relação Anual de Informações Sociais (Rais) disponível.

De acordo com a Firjan, os números reafirmam Nova Friburgo como “Capital da Moda Íntima” e reiteram a importância da Fevest, uma das mais importantes feiras brasileiras do setor de moda íntima, praia, fitness e matéria-prima O evento é realizada pelo Sindicato das Indústrias do Vestuário de Nova Friburgo e Região (Sindvest), com promoção do Sistema Firjan e do Sebrae.

“A parceria com a Fevest é motivo de muito orgulho, e reforça nosso compromisso de apoiar a cadeia da moda. O setor é o segundo maior empregador da indústria fluminense. Está presente em praticamente todas as regiões do Estado, e tem Nova Friburgo como um de seus destaques”, afirmou o presidente do Sistema Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

Para o presidente do Sindvest, Marcelo Porto, foi importante para o setor aprender com o passado e inovar. “Desde 2008, quando tivemos a última forte adversidade econômica, o polo começou a repensar os conceitos e trabalhar em design e sofisticação. É aí que a parceria com o Sistema Firjan tem sido fundamental em pesquisa e formação de mão de obra. Hoje temos um produto com muito mais valor agregado e que atende aos padrões internacionais”, explicou.

Produtos registram 151% de valorização

Ainda de acordo com a análise da Firjan Internacional, houve incremento em todos os produtos exportados, com destaque para soutiens. Vale ressaltar a valorização do produto exportado, pois o preço médio da região Centro-Norte saiu de US$ 72/kg para US$ 118/kg, avançando 64%. Isso demonstra que os produtos da região agregaram bastante valor e se distanciaram do restante do estado. A média de preços para o mercado exportador em todo o estado é de US$ 33/Kg. A maior valorização esteve com os produtos de soutiens, cintas e espartilhos (151%).

Fonte: G1