Uma equipa de investigadores japoneses afirmou nesta quarta-feira que pequenas concentrações de ozono podem neutralizar as partículas do novo coronavírus, o que pode vir a ser útil em hospitais na desinfecção de consultórios médicos e de salas de espera.

Os cientistas da Universidade Fujita Health falaram numa conferência de imprensa nesta quarta-feira, dizendo que tinham provado que o gás de ozono em concentrações de 0,05 a 0,1 partes por milhão – doses inofensivas para humanos – pode matar o vírus que causa a doença covid-19.

Na experiência feita pelos cientistas, foi usado um gerador de ozono numa divisão selada em que estava presente uma amostra de coronavírus. A potência do vírus SARS-CoV-2 baixou mais de 90% quando esteve sujeito a ozono em baixas concentrações durante dez horas.

“A transmissão do novo coronavírus pode ser combatida ao usar-se este sistema de tratamento de ozono contínuo e em baixas concentrações, mesmo em ambientes em que estejam pessoas”, explicou o autor principal do estudo, Takayuki Murata. “Descobrimos que é particularmente eficaz em condições de alta humidade.”

O ozono, uma molécula composta por três átomos de oxigénio, pode inactivar muitos agentes patogénicos e estudos anteriores davam a entender que altas concentrações de ozono seriam eficazes no combate ao coronavírus, ainda que potencialmente tóxicas para humanos.

Um estudo recente do Instituto de Tecnologia da Georgia mostrava ainda que o ozono pode ser utilizado na desinfecção de batas, óculos e outros equipamentos de protecção médica. O Hospital da Universidade Fujita, na prefeitura japonesa de Aichi, instalou geradores de ozono nos quartos dos pacientes e nas zonas de espera para reduzir as infecções do novo coronavírus.



Source link