O Ministério Público Federal de Santos concedeu prazo de 20 dias para que a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) e outras entidades públicas informem o que será feito para evitar o problema recorrente nos períodos de escoamento da safra: as filas nos acessos às zonas portuárias.

O procurador da República Thiago Lacerda Nobre, coordenador do Grupo de Trabalho e Transportes do MPF, solicita que a Codesp indique, detalhadamente, o planejamento realizado para permitir a celeridade na descarga e o adequado estacionamento dos veículos. Caso nenhuma medida ainda tenha sido adotada, a autoridade portuária deverá justificar a omissão.

À Secretaria de Portos da Presidência da República e à Agência Nacional de Transportes Aquaviários, o procurador pede que enviem informações sobre eventuais providências a serem tomadas em relação ao tema. Nobre requer também que a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo indique as medidas que serão implementadas para coibir a prática de furtos e roubos em decorrência dos longos congestionamentos que se formam na região nesta época.

Reunião

Conforme noticiado por A Tribuna, autoridades e empresas envolvidas no escoamento da safra agrícola pelo Porto de Santos se reunirão, na próxima terça-feira (10), no Terminal de Passageiros Giusfredo Santini, para a apresentação do plano que visa evitar novos congestionamentos nas estradas que dão acesso à zona portuária. O encontro, organizado pela Codesp, acontecerá apenas cinco dias antes do aumento no movimento de caminhões – carregados com a produção agrícola – na região.

Além da Docas, órgãos federais, estaduais e municipais participarão do evento. Representantes da Secretaria de Portos (SEP), da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Receita Federal estarão presentes, assim como servidores dos ministérios dos Transportes e da Agricultura Pecuária e Abastecimento, das prefeituras da região e da Polícia Rodoviária Federal.

As concessionárias rodoviárias, ferroviárias e hidroviárias, também foram convocadas, assim como associações, sindicatos, embarcadores, armadores e os terminais portuários do cais santista. Todos os envolvidos apresentarão suas atribuições e como estão preparados para executá-las durante o período de escoamento da safra agrícola.

Fonte: A Tribuna On-line