O engenheiro Márcio Félix será o novo Secretário de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis do Ministério de Minas e Energia (MME). Félix, que é servidor da Petrobras, aceitou o convite feito pelo Ministro Fernando Coelho Filho, para completar a equipe do MME.

Félix é graduado em Engenharia Eletrônica pela Universidade de Brasília, com especialização em Engenharia do Petróleo, pela Universidade Petrobras e MBA em Gestão Empresarial pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O novo secretário trabalha na Petrobras há 33 anos e atualmente exerce o cargo de gerente-geral de América do Norte e África na Exploração e Produção Internacional.

Coelho Filho completa seu secretariado com a escolha de Félix. No dia 30 de maio, foram confirmados os nomes dos secretários de Energia Elétrica, de Planejamento e Desenvolvimento Energético, e de Geologia e Mineração do MME: Fábio Lopes Alves, Eduardo Azevedo e Vicente Lôbo, respectivamente. Para a Secretaria-Executiva, foi nomeado Paulo Pedrosa. O matemático Luiz Augusto Barroso será o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Veja abaixo o currículo resumido de Barroso, Alves, Azevedo e Lôbo:

Luiz Augusto Barroso (Presidente da EPE)

Luiz Barroso é matemático, com doutorado em matemática aplicada (otimização) ao setor elétrico. Atualmente, é diretor executivo da PSR, consultoria na qual atua há cerca de 18 anos, liderando estudos de planejamento, regulação, finanças, gestão de riscos e comercialização de energia no Brasil e em mais de 30 países.

O futuro presidente da EPE possui uma forte atuação acadêmica: é pesquisador associado do Instituto de Investigación Tecnológica da Universidad Pontificia Comillas na Espanha, leciona na Escola de Regulação de Florença e foi professor visitante de diversas universidades no mundo, incluindo o MIT.

Fábio Lopes Alves (Secretário de Energia Elétrica do MME)

Fábio Lopes Alves tem formação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com especialização em Engenharia de Produção pela mesma universidade.

Alves tem quase 30 anos em cargos de gestão no setor elétrico. Entre 1996 e 1998, ele foi diretor-presidente da Companhia Energética de Pernambuco (Celpe). Anteriormente, o novo secretário de Energia Elétrica do MME ocupou o cargo de Chefe de Gabinete da Presidência da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), em 2003. Sua posição mais recente no setor foi a de diretor administrativo-financeiro na Transnorte Energia S. A. (TNE), cargo que ocupou desde 2014.

Eduardo Azevedo (Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME)

Eduardo Azevedo é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mestre em Engenharia de Produção pela mesma instituição e pós-graduado em Comercialização de Energia pela Universidade de Pernambuco (UPE). O novo secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético já participou como consultor em projetos do MME, em parceria com o PNUD, para a implantação do Sistema Nacional de Informações Energética (SNIE), entre 2002 e 2003.

Entre 2010 e 2016, ocupou o cargo de Secretário Executivo de Energia do Governo de Pernambuco, onde foi responsável pela realização do primeiro leilão estadual de energia elétrica de fonte solar fotovoltaica no Brasil, que viabilizou a instalação do primeiro complexo no país. Desde 2013, Azevedo é o de vice-presidente de Energias Renováveis do Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Minas e Energia.

Vicente Lôbo (Secretário de Geologia e Mineração do MME)

Vicente Lobo é formado em Engenharia de Mineração (Universidade Federal de Minas Gerais) com MBA em Administração de Empresas (FGV).

O novo secretário de Geologia e Mineração do MME foi diretor Industrial de unidades da Vale, entre 2010 e 2015, e diretor Industrial na Bunge Ltda, entre 2003 e 2010, com atuação no setor mineral desde 1986. Em sua atuação na Vale, Lôbo era responsável pela direção das atividades de desenvolvimento de processos químicos, bem como pela operação das minas e da manufatura de fosfato em diversas unidades da empresa.

Fonte: Ministério de Minas e Energia