[ad_1]

No mesmo dia em que comemorou 83 anos de vida, a aposentada Carmelita de Souza Silva, que estava internada com Covid-19, pôde, finalmente, deixar a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Raimundo, em Limoeiro do Norte, interior do Ceará. A idosa, que tem Alzheimer e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), que dificulta a passagem do ar pelos pulmões, estava internada desde 12 de julho.

No último dia 16, Carmelita deixou o leito de UTI sob aplausos dos profissionais de saúde. De cadeira de rodas, ela segurou um bolo de aniversário e uma plaquinha que dizia: “eu venci”.

Carmelita completou 83 anos no hospital. — Foto: Arquivo pessoal

A idosa ainda precisou ficar internada em outra ala hospitalar durante alguns dias, enquanto se recuperava. Nesta quarta-feira (22), voltou para casa, em Jaguaribe, onde vive com o esposo, Antônio Nunes da Silva, de 74 anos.

Filha única do casal, a dona de casa Izabel Cristina, 35, lembra que os primeiros sintomas de Covid-19 apareceram ainda no começo do mês. “Dia 8 de julho, a gente percebeu que ela estava cansada, mas, até então, estava bem. No dia 10, ela passou mal, com falta de ar, e foi para uma UPA. Sem melhora, ela precisou ir para Limoeiro, dia 12″, recorda-se.

Por ter Alzheimer, doença neurodegenerativa progressiva que causa a deterioração da memória de curto prazo, Carmelita ainda não consegue recordar e verbalizar todos os momentos passados. A filha assegura, no entanto, que a mãe está se recuperando bem e voltando a tomar as medicações, interrompidas por conta do tratamento contra o novo coronavírus. Outro fator de risco é a DPOC, que dificulta a passagem do ar pelos pulmões.

A recuperação foi motivo de emoção e alegria. “Foram lágrimas e mais lágrimas, mas graças a Deus passou. Quando ela teve alta foi uma alegria muito grande. Uma pessoa de 83 anos, com problema pulmonar, conseguir vencer, é maravilhoso. Ela está bem, em casa, e a tendência é ficar cada dia melhor. Espero que a história da minha mãe ajude outras pessoas, que vejam que vai dar tudo certo”.

O Ceará contabiliza 7.422 mortes confirmadas pela Covid-19 e 158.768 diagnósticos positivos, segundo dados da plataforma IntegraSUS, atualizada pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesa) às 9h16 desta sexta-feira (24). O número de pacientes recuperados chegou a 131.383.

O Estado tem ainda 74.993 casos em investigação e 601 mortes suspeitas. Já foram realizados 417.247 exames para detectar o vírus.

A capital, cidade com as maiores taxas, concentra 40.904 casos confirmados e 3.650 mortes pela enfermidade. Em seguida no número de casos estão as cidades de Sobral, com 9.493 confirmações, e Juazeiro do Norte, que tem 5.583 registros.

Sobral, na Região Norte, tem 274 mortes causadas pelo novo coronavírus. Em Juazeiro do Norte, no Cariri, 185 pessoas não resistiram à Covid-19.

Cidades da macrorregião de saúde de Fortaleza somam altos índices da doença. Maracanaú concentra 4.911 casos e 227 mortes e Caucaia, a segunda cidade em número de mortes contabiliza 4.865 diagnósticos positivos e 311 óbitos. Maranguape tem 3.717 registros e 104 casos que evoluíram para morte.

O número de casos confirmados também é destaque nos municípios de Quixadá (2.653), Crato (2.437), Tianguá (2.301), Acaraú (2.279) e Camocim (2.113).

Veja outras informações da plataforma:

  • A taxa de ocupação das UTIs cearenses é de 67,47%;
  • A taxa de ocupação das enfermarias cearenses é de 40,29%;
  • A letalidade da doença no Estado é de 4,67%.

Os números apresentados pela Sesa são atualizados permanentemente e fazem referência à disponibilidade dos resultados dos testes para detectar a presença dos vírus, ou seja, não necessariamente correspondem à data da morte ou do início da apresentação dos sintomas pelo paciente.

Amapá, Maranhão, Ceará e RJ podem estar em “segunda onda” de Covid-19, diz Fiocruz

Veja como ficam as regiões no plano de retomada econômica:

  • A capital cearense avança para a fase 4;
  • Demais cidades da macrorregião de Fortaleza avançam para a fase 3;
  • Macrorregião do Sertão Central, Litoral Leste/Jaguaribe permanecem na Fase 1;
  • Região Norte avança para fase 1;
  • Cidades da região Cariri e Centro-Sul mais afetadas (Juazeiro do Norte, Crato, Barbalha, Brejo Santo e Iguatu) seguem em isolamento social rígido, permanecendo na fase de transição da economia.

Veja o que pode reabrir na 4º fase do plano de transição em Fortaleza

  • Restaurantes no período noturno, até às 23h;
  • Transporte interestadual de passageiros;
  • Locação de automóveis com motorista;
  • Comércio de produtos não essenciais;
  • Atividades religiosas (50% da capacidade).

Coronavírus: infográfico mostra principais sintomas da doença — Foto: Foto: Infografia/G1

[ad_2]

Source link