O secretário-executivo do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Fernando Furlan, participou da abertura do 27º Congresso Brasileiro do Aço, que reúne os principais executivos do setor.

Segundo Furlan, o setor siderúrgico vai se beneficiar dos novos acordos comerciais que foram assinados pelo MDIC. No setor automotivo, em 2015 o Brasil renegociou acordos com Argentina, México e Uruguai; e celebrou novo acordo com Colômbia. Em 2016, o Brasil está renegociando acordo com Argentina e negociando novo acordo com Paraguai.

“As exportações são uma das soluções para a crise e o setor siderúrgico, que vendeu 40% mais, em quantidade, para o exterior em 2015, vêm respondendo a este chamamento”, disse Furlan.

Em uma situação de retração do mercado doméstico, o canal externo tornou-se alternativa importante para a manutenção da produção. Com isso, 2015 encerrou com exportações de 409 mil veículos ao crescer 11,8% em relação ao ano anterior. Já de janeiro a abril de 2016, as exportações de veículos cresceram 52,5% em quantidade, ao somar 109 mil unidades vendidas.

Em maio de 2016, Brasil e Peru assinaram o Acordo de Ampliação Econômico-Comercial. Trata-se de acordo bilateral, ou seja, negociado sem os países do Mercosul, por se tratar de negociação de temas não-tarifários, o que é permitido pelas regras do bloco. O acordo prevê a antecipação do livre comércio para veículos de passeio e picapes.

O Brasil assinou ainda Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) com México, Colômbia, Chile, Peru, Angola, Moçambique e Malaui.

Fonte: MDIC