“A exportação é algo benéfico não só para o exportador, mas para a população local que terá mais empregos e para o Estado que irá aquecer sua economia”. Com essa frase, Afonso Celso, analista de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior (MDIC), abriu o treinamento voltado para empresários do Piauí que já atuam ou têm o interesse de ingressar no mercado internacional. A iniciativa partiu do Ministério e conta com a parceria da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Tecnológico (Sedet).

O curso, que continuou nesta quinta (7), tem a proposta de aumentar o número de empresas que atuam no comércio exterior e, consequentemente, elevar as exportações de produtos e serviços do estado.

A superintendente de Atração e Investimentos da Sedet, Lucile Moura, destacou que o treinamento é uma oportunidade que os empresários têm de interagir com um conceito que as vezes não é muito comum. “O Brasil é um país muito grande, que fala a mesma língua e isso faz com que os nossos produtores terminem focando o mercado interno devido a essa facilidade. Porém, o mundo é uma imensidão e se você tem um produto com uma vantagem competitiva, tem condições de ir pra qualquer lugar do mundo, e assim, ampliar sua capacidade de ganho”, destacou.

O treinamento acontece na sede da Federação das Indústrias do Piauí (Fiepi), onde serão discutidos até esta sexta (8) diversos temas de interesse das Empresas de Pequeno Porte. “É importante que esses empresários procurem orientações, informações e estudem muito sobre o Comércio Exterior, para dar um passo com firmeza e segurança, fazendo com que a operação se constitua em sucesso. Aqui, passamos conceitos teóricos e práticos, fornecendo uma bagagem suficiente para eles possam exportar suas mercadorias”, pontuou Afonso Celso.

Ery Barradas, que pretende entrar no mercado de exportação, disse ter participado de outros cursos, pois tem absorvido muitas informações sobre a área. “Estamos precisando disso para desmistificar a exportação, que ainda tem suas dificuldades no Brasil. E nós queremos ajudar os pequenos artesãos a exportar também, vamos atuar como um intermediário, comprando seus produtos e vendendo para o comércio exterior, uma vez que lá o artesanato brasileiro é bastante valorizado. Vamos começar pelo Piauí e aos poucos expandir o artesanato brasileiro em geral”, explicou o empreendedor.

Fonte: Governo do Piauí