No meio da roça, sentado em um banquinho de madeira com o celular na mão. É assim que, desde o fim de agosto, Murilo Lopanski, de 10 anos, está acompanhando as aulas online enquanto a pandemia do novo coronavírus não permite a volta às aulas presenciais.

Morador da área rural de Mallet, no sul do Paraná, o pai do menino montou uma cabana com pedaços de madeira e lona no meio da plantação, no único ponto da propriedade onde moram que pega sinal de internet móvel.

“Posso estudar protegido do sol e até dos cachorros da vizinhança”, afirmou Murilo Lopacinski, de 10 anos.

O estudante disse que vai todos os dias pela manhã até o local, por volta das 7h30, para fazer as atividades. “Não tem rede wi-fi aqui, então essa é a solução”, disse.

A família mora, na Colônia 4, a cerca de 10 quilômetros da cidade, onde fica a Escola Estadual Nicolau Copérnico.

Pai do estudante montou uma cabana com lonas e madeiras no meio da roça, em Mallet — Foto: Arquivo pessoal

Antes disso, Murilo estava estudando pelos materiais impressos que a família retirava quinzenalmente na escola.

No Paraná, por causa da pandemia do novo coronavírus, desde abril os alunos da rede estadual acompanham as atividades pedagógicas pela televisão, pelo aplicativo Aula Paraná ou por atividades impressas.

“Ele é um ótimo aluno, fazia todas as atividades impressas, mas um dia a pedagoga da escola mostrou que ele podia usar o aplicativo, eles baixaram, ele se cadastrou, gostou, e deu certo”, afirmou a diretora Eliana Renzzo.

Segundo a diretora, isso aconteceu quando o trimestre já estava em curso, no final do mês de agosto. Mesmo assim, Murilo realizou as atividades retroativas que estavam em aberto.

“Ainda sinto falta da professora, da aula, mas no celular é mais fácil acompanhar do que nas lições impressas”, afirmou Murilo.

De acordo com a diretora da escola, Murilo usa a internet móvel disponibilizada pelo governo estadual para os alunos que acessam o aplicativo Aula Paraná.

Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seed), não há data para retorno das atividades presenciais. De acordo com o órgão, a data será definida pelas autoridades de saúde baseada nos números de evolução da pandemia.

Em Mallet, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), há 65 casos confirmados de Covid-19 e duas mortes registradas pela doença. Em todo o Paraná, são mais de 155 mil casos e 3,9 mil mortes.

Em todo o Paraná, são 1,04 milhões de alunos estudando em escolas públicas estaduais.

Mesmo sem data, um protocolo de retorno foi definido pela secretaria e por um comitê formado por representantes de escolas públicas e privadas, Ministério Público, professores, pais e alunos.

Aulas foram suspensas em 20 de março pelo Governo do Paraná — Foto: Reprodução/RPC

O protocolo de retorno prevê que, quando os órgãos de saúde avaliarem que é possível manter atividades presenciais, os alunos sejam divididos em grupos e o retorno aconteça de maneira híbrida, com parte das atividades online e outra porção das aulas presenciais.

Quando forem às escolas, o protocolo determina que os alunos se revezem no horário dos intervalos, do recreio e nas idas ao banheiro, para evitar aglomerações, além de medidas de distanciamento e cuidados com higiene.



Source link