O coronavírus é circular e envolto por “espinhos”, certo? Será? As inúmeras imagens que vemos publicadas do Sars-Cov-2 se parecem, de fato, ao vírus descrito nas pesquisas científicas? Há alguma fidelidade às informações laboratoriais? Podemos confiar nas representações publicadas nas mais diferentes reportagens? O Futurando desta semana conversou com um ilustrador científico para saber a resposta.

Vamos explicar também o que ocorre na forma mais grave da covid-19. Sabidamente, existe a chance de o organismo reagir muito mal ao coronavírus, e os órgãos entrarem em colapso. Mas como e por que isso acontece? Como o corpo humano chega a esse ponto?

Você já deve ter reparado que algumas pessoas estão se sentindo mais seguras na pandemia pelo controle no número de casos. Em determinadas cidades, ou locais, o respeito ao uso das máscaras vem sendo afrouxado. Por quê? Conversamos com um especialista para saber os motivos por trás do aumento de confiança das pessoas em relação à infecção pelo Sars-Cov-2.

Mudando um pouquinho de assunto, neste Futurando vamos tratar de uma ameaça não tão minúscula quanto o coronavírus, porém, que está atacando florestas na Alemanha. Trata-se de besouros e outros insetos. Eles fazem com que árvores precisem ser derrubadas. No programa, você vai entender quando isso começou e o trabalho de guardas-florestais para salvar as plantas.

Nesta edição, trazemos ainda uma reportagem que explica a ciência por trás da memorização das coisas e um estudo da Escola Superior de Esporte de Colônia, na Alemanha, sobre a relação entre a prática de exercícios e a demência em estágio inicial. Será que dá para retardar a demência com exercícios? A resposta você confere no Futurando!

 



Source link