Restrições impostas pelo governo chinês à entrada de açúcar do mercado externo, como a
exigência de emissão de certificados e tarifas de importação, têm elevado a importação da commodity no
país asiático sem passar pelo registro das alfândegas. Estima-­se que a China já tenha importado, ilegalmente,
727,6 mil toneladas entre outubro de 2015 e abril de 2016.

Segundo estimativa da consultoria DATAGRO, este volume não contempla o açúcar oriundo da Índia, o que
sugere que a importação ilegal possa ter atingido 1 milhão de toneladas. Para atender o consumo de açúcar
branco, a China tem importado açúcar da Tailândia com triangulação através de Myanmar, Laos e Camboja.
Como resultado, essas aquisições não estão sendo computados pelo governo da China. Os dados da alfândega
do governo da chinês confirmaram novo recuo nas importações de açúcar na semana passada.

Em maio foram adquiridas apenas 140 mil toneladas, contra 225,2 mil toneladas em abril e 522,6 mil toneladas em
maio do ano passado. No acumulado da safra 2015/16 (out/set), a China importou, conforme estatísticas do
governo, 2,094 milhões de toneladas de açúcar entre outubro de 2015 e maio de 2016, contra 3,160 milhões
em mesmo período de 2014/15.

A queda nas importações faz pouco sentido no momento em que a produção de açúcar na China caiu pelo
segundo ano consecutivo. A produção da commodity totalizou 8,707 milhões de toneladas em 2015/16, ante
10,518 milhões na temporada anterior. Caso a China não eleve as importações, os estoques finais de açúcar
em 2015/16 totalizariam apenas 3,70 milhões de toneladas em 30 de setembro de 2016, redução de 45,9% em
um ano.

Fonte: InfoMoney