[ad_1]

O número de casos confirmados no mundo desde o início da pandemia do novo coronavírus passou de 14 milhões na noite desta sexta-feira (17), mostra levantamento da Universidade Johns Hopkins. O total de mortes pela Covid-19 chegou a 600 mil.

Com isso, levou apenas quatro dias para que o mundo registrasse mais um milhão de novos casos — de acordo com a agência Reuters, é o ritmo mais rápido desde que o novo coronavírus foi descoberto, no fim de dezembro. Para se ter uma ideia, do primeiro caso ao milionésimo, passaram-se mais de três meses.

Modelo 3D do Sars-Cov-2, o novo coroavírus — Foto: Reprodução/Visual Science

Os Estados Unidos, país mais atingido pela pandemia em números absolutos, registrou mais de 77 mil casos somente de quinta para sexta-feira — uma máxima diária. Por lá, onde governos estaduais tiveram de retroceder no relaxamento das medidas, mais de 3,6 milhões de pessoas se infectaram com o novo coronavírus, e a Covid-19 matou 139,1 mil.

Em seguida, também em números absolutos, vem o Brasil, que atingiu 2 milhões de infectados e mais de 77 mil mortes por causa do novo coronavírus. Nesta sexta, a média móvel de óbitos pela doença se manteve acima de 1 mil pelo 15º seguido. Veja no VÍDEO abaixo.

Curva de mortes por coronavírus cresce em seis estados e no DF, mostra média móvel

A situação também é preocupante na Índia, que nesta semana superou 1 milhão de casos do novo coronavírus. O país chegou a adotar o mais amplo lockdown no mundo no início da pandemia, mas os casos explodiram com o tempo e com o relaxamento das medidas.

OMS afirma que números da pandemia no Brasil se estabilizaram, mas não vão cair sozinhos

OMS afirma que números da pandemia no Brasil se estabilizaram, mas não vão cair sozinhos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) vem reforçando que a pandemia ainda acelera no mundo. No caso do Brasil, o órgão explicou que o país atingiu um platô — ou seja, uma estabilidade, ainda que em patamares muito altos, nos números do coronavírus.

“Há um platô, há uma oportunidade agora para o Brasil diminuir a transmissão do vírus e assumir o controle. Até agora, em muitos países, incluindo o Brasil, o vírus está no comando, ele define as regras. Precisamos definir as regras para o vírus” – Michael Ryan, diretor de emergências da OMS.

Ryan afirmou que, apesar da estabilização das novas infecções no Brasil, o país ainda está “no meio da batalha” e ainda não conseguiu diminuir o número de casos e mortes. O diretor alertou que é preciso virar o jogo e “definir as regras para o vírus”.

“Não vemos um aumento nos casos diários como vimos em abril e maio”, começou Ryan descrevendo a situação brasileira. Depois, “houve um grande aumento de casos entre junho e julho” até que o país alcançasse o platô atual.

“O que não aconteceu ainda foi uma queda [nos novos casos no Brasil]”, alertou o diretor.

[ad_2]

Source link