A ampliação das relações comerciais entre Brasil e Rússia foi tema de reunião bilateral do G-20, em Xian, na China. A intenção é aumentar o comércio de produtos específicos como grãos, carne bovina e frutas. No entanto, como isso vai ocorrer não ficou definido durante o encontro dos ministros da agricultura do Brasil, Blairo Maggi, e da Rússia, Alexander Tkatchev. E Mato Grosso assume importante papel nessa relação, já que a Rússia é 8º principal comprador do Estado, tendo negociado US$ 200,843 milhões entre janeiro e maio deste ano, valor 62,96% maior que em igual período de 2015, quando foram embarcados US$ 123,244 milhões em produtos para aquele país.

De acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), a balança comercial entre Rússia e Mato Grosso demonstra prosperidade, embora aponte que a economia mato-grossense ainda está fechada para os produtos russos. Enquanto os 5 primeiros meses de 2016 registram aumento de 62,96% da exportação mato-grossense para Rússia, o Estado caminhou em direção contrária quando o assunto é importação, recuando 27,88%. Baixou de US$ 45,884 milhões para US$ 33,093 milhões no acumulado de janeiro a maio de 2015 frente a igual período de 2016.

“Evidentemente que estamos em uma crise e isso pesa nas relações comerciais brasileiras, contudo, Mato Grosso, assim como o Brasil, é conhecido por ser muito fechado economicamente para as relações internacionais”, explica o economista Vitor Galesso, que é especialista em mercado exterior. Mas Galesso também salienta que o país Russo é um grande exportador de petróleo, e que este produto não pesa como necessidade comercial para o Estado nem para o país.

Essa barreira pode ser diminuída, já que o ministro Russo, Alexander Tkatchev, está interessado em ampliar a pauta de exportação do mercado brasileiro, principalmente de grãos, pescados e outros produtos alimentícios. Contudo, o ponto principal para o fortalecimento desta relação antiga entre Brasil e Rússia é a disposição do governo russo em aumentar o fornecimento de fertilizantes para o mercado brasileiro, o que culminaria em uma moeda de troca ideal com o país, principalmente para Mato Grosso, grande produtor de commodities para o mundo.

De acordo com informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2015 o Brasil aumentou a exportação de frutas (maçãs, peras e marmelos), queijos e carnes, assim como a atuação de 163 frigoríficos habilitados para comercializar carne para os russos. Contudo, o ministro russo declarou que gostaria de mais facilidade para que produtos russo entrem no Brasil, da mesma forma que os produtos brasileiros são favorecidos no mercado daquele país.

Já o ministro Blairo Maggi garantiu ao ministro da Russia que existe o interesse em importar produtos russos. “Nós também estamos prontos para importar pescados e itens específicos de origem animal dos russos. Isso deverá estimular a competição no mercado doméstico entre os nossos produtores”.

Para Vitor Galesso, o importante é manter a parceria comercial com a Russia, porque sempre que eles criam problemas com os Estados Unidos, acabam procurando o Brasil para as necessidades comerciais.

Fonte: FolhaMax